Paranatinga, 27 de Junho de 2022

Variedades

Filme de diretor mato-grossense estreia na Netflix nesta quinta

Publicado 03/03/2022 23:06:21


REDAÇÃO

O premiado filme “Madalena”, primeiro longa-metragem de ficção do diretor mato-grossense Madiano Marcheti, estreia nesta quinta-feira (3) na Netflix. 

  

O filme tem como ponto de partida o corpo de Madalena, encontrado em uma plantação de soja. Na sequência, a trama acompanha a história de três jovens - Luziane (Natália Mazarim), Bianca (Pamella Yule) e Cristiano (Rafael de Bona) -, que vivem contextos diferentes em uma mesma cidade produtora da oleoginosa no Centro-Oeste do Brasil.

 

Embora os três não se conheçam, eles são afetados de alguma forma pelo desaparecimento de Madalena. O longa denuncia a violência constante do país que mais mata a população LGBTQIA+. 

 

O filme discute temas como a transfobia, questões ambientais, e tem várias nuances e narrativas que precisam ser discutidas

 

Parceiro fundador da Terceira Margem Produções, Marcheti é, além de diretor, o roteirista de "Madalena". 

 

Nascido em Porto dos Gaúchos e criado em Sinop, Marchetti se mudou para o Rio de Janeiro para se aprimorar na área do audiovisual, e foi quando, nos últimos semestres da faculdade de Cinema na PUC-Rio, “Madalena” começou a desabrochar.

 

O roteiro foi escrito em 2014, e o filme estreou em 2021, quando foi lançado mundialmente no Festival Internacional de Cinema de Roterdã 2021 (Tiger Competition).

 

Para Marchetti, que dedicou seis anos ao filme, “Madalena” é um projeto de vida.

 

“O filme discute temas como a transfobia, questões ambientais, e tem várias nuances e narrativas que precisam ser discutidas e observadas nessa região”, disse.

 

“Mato Grosso é um estado super-importante política e economicamente, mas é um estado que pouco se olha pensando em cinema e nas representatividades. Por isso, eu como homem gay e mato-grossense, pensei em um filme que abordasse essas questões pelo “lado de dentro” da coisa", relatou.

 

“O filme não busca ‘culpados’, que nada mais são do que os sintomas, e sim, a causa, do problema. É sobre entender a motivação de forma geral, o porquê desses crimes e por que tantos nessa região", afirmou. Mato Grosso é um dos estados com maiores índices de crimes motivados por homofobia no Brasil.

 

“Sempre vi a participação LGBTQIA+ no cinema e na televisão de forma muito esteriotipada. E a presença de pessoas trans como chacota ou então ligada à violência, drogas, prostituição. Por isso, durante o filme, procuramos mostrar as personagens trans em cenas durante o dia, para justamente não reforçar esse cenário que vincula a imagem da mulher trans à noite, na prostituição.”

 

“É óbvio que existem as travestis que são trabalhadoras do sexo, mas existem outras que trabalham em outras áreas. É preciso mostrar a vida dessas mulheres de forma mais justa, e eu quis buscar um tipo de representatividade que mostrasse a real pluralidade da vida da mulher trans, pessoa trans e travesti”.

 

“Madalena" foi rodado em Dourados (MS) e contou com mais de 20 atores do Estado no elenco.

 

A produção é da PóloFilme e da Raccord, em coprodução com Vira Lata e Terceira Margem. A distribuição é da Vitrine Filmes.

 

Clélia Bessa, Joel Pizzini, Sérgio Pedrosa, Marcos Pieri, Beatriz Martins são os produtores do longa.

Fonte: Mídia News

Entre no grupo do Paranatinga News no Telegram e receba noticias em tempo real. CLIQUE AQUI

Publicidade Áudio

Enquete

Na sua opinião qual investimento é mais urgente para Paranatinga

CONCLUIR HOSPITAL MUNICIPAL

ASFALTAR BAIRROS

MELHORAR ILUMINAÇÃO

SINALIZAÇÃO DE TRANSITO E RUAS

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE

Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.