Paranatinga, 14 de Agosto de 2022

Saúde

Cigarros Eletrônicos: Não se engane, de “descolado” e “inofensivo” eles não têm nada

Publicado 24/05/2022 08:02:21


Recentemente os cantores Zé Neto e Solange Almeida expuseram para a mídia problemas de saúde causados pelo uso de cigarros eletrônicos. Ambos tiveram de buscar tratamento médico para falta de ar e relataram dificuldade de cantar. Em entrevista a artista Solange Almeida contou que após abandonar o vício pelo cigarro convencional há 15 anos, foi apresentada ao cigarro eletrônico e por acreditar que ele não possuía nicotina, só foi se dar conta do novo vício quando as consequências começaram a surgir.

 

O curioso é que os cigarros eletrônicos surgiram justamente como uma alternativa para auxiliar no controle do cigarro tradicional, apesar de não existir comprovação relacionada a essa eficácia. Com sua aparência “inofensiva” e design moderno que pode contar inclusive com luzes chamativas, variedades de sabor e a ausência do odor incômodo do cigarro tradicional, os eletrônicos viraram moda entre os jovens. O cigarro eletrônico, no entanto, não é inofensivo – longe disso. Seus altos índices de nicotina e outras substâncias nocivas podem gerar dependência química no indivíduo rapidamente e acarretar todas as doenças respiratórias associadas a esse vício, como enfisema pulmonar, doenças cardiovasculares e câncer.

 

Além disso, tem-se percebido que o cigarro eletrônico muitas vezes atua como porta de entrada para o cigarro convencional e muitos fumantes também têm associado o uso do cigarro eletrônico com o convencional, o que agrava ainda mais sua condição de saúde. Vale o registro também da situação relatada pela cantora, em que ex-fumantes de cigarro convencional, se envolvem no novo vício por acreditar erroneamente que esse é mais brando e fácil de controlar.

 

Todas as formas de tabaco comprometem a saúde e a qualidade de vida de quem se expõe a ele ativa ou passivamente. O tabagismo possui uma relação de causa e efeito com diferentes tipos de câncer, não apenas o câncer de pulmão e brônquios, mas também em outros órgãos-alvo como a boca, faringe, laringe, esôfago, vesícula biliar, trato gastrointestinal, fígado, estômago, pâncreas, rim, bexiga, colo de útero, útero, mama, próstata, colorretal e leucemia mieloide aguda, além de possuir associação com metástases para outros locais.

 

A legislação brasileira proíbe a comercialização do cigarro eletrônico e seus derivados desde 2009. Neste momento a lei passa por processo de discussão e atualização de informações técnicas. A Anvisa está na fase de levantamento de subsídios, aberta a receber informações técnicas a respeito dos cigarros eletrônicos. Por isso, conselhos e entidades da saúde têm se unido para entregar todas as evidências científicas que garantam a continuidade da proibição do comércio dos cigarros eletrônicos.

 

Não se engane, de “descolado” e “inofensivo” os cigarros eletrônicos não têm nada!

 

 

Artigo elaborado pela Lorraynne dos Santos Lara - Cirurgiã-dentista, Mestranda em Ciências Odontológicas Integradas – UNIC); Luiz Evaristo Ricci Volpato, Cirurgião-dentista, Professor do programa de Mestrado e Doutorado em Ciências Odontológicas Integradas – UNIC e membro do corpo clínico do Hospital de Câncer de Mato Grosso. 

 

 

Entre no grupo do Paranatinga News no Telegram e receba noticias em tempo real. CLIQUE AQUI

Publicidade Áudio

Enquete

Na sua opinião qual investimento é mais urgente para Paranatinga

CONCLUIR HOSPITAL MUNICIPAL

ASFALTAR BAIRROS

MELHORAR ILUMINAÇÃO

SINALIZAÇÃO DE TRANSITO E RUAS

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE

Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.