Paranatinga, 26 de Janeiro de 2022

Saúde

Brasil mostrou que não é um país negacionista e projeções são boas para 2022, avalia infectologista

Publicado 25/12/2021 17:26:27


No ano em que o país teve o maior pico de casos e óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia, o avanço da campanha de imunização — atualmente com cobertura de 58% da população mato-grossense com duas doses e 71% com pelo menos a primeira — deu um recado: o Brasil em sua maioria não é negacionista. Isto é o que diz a infectologista e pesquisadora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Márcia Hueb, ao comentar a pandemia no ano de 2021. 

Leia também:
Operação Lei Seca será ampliada para mais três cidades de MT; meta é chegar a 20 até meio do ano

Para a infectologista, o que fez com que o país assistisse à curva crescente e exponencial da pandemia foi, em grande parte, culpa do Governo Federal, que, inicialmente, refutou a eficácia das vacinas. O que, segundo ela, ocasionou o atraso nas negociações de compra dos imunizantes.

“Muitas mortes que ocorreram nos primeiros meses deste ano seriam evitadas se tivéssemos como vacinar a população. Após a chegada das vacinas, mostramos que sabemos vacinar, temos a tradição de um programa reconhecido mundialmente”, diz Márcia ao Olhar Direto.  

Além disso, o Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro, considerado o maior sistema público de saúde do mundo, esteve em evidência ao desempenhar papel fundamental pelo alcance que tem em território nacional. “Com o SUS conseguimos avançar na vacinação. À medida que cresce a cobertura vacinal, diminuem os casos e principalmente as mortes”.

No Brasil, a campanha de imunização teve início no dia 17 de janeiro. Naquele dia, em meio aos ataques que vinham sendo feitos por negacionistas que questionavam a eficácia dos imunizantes aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a enfermeira Mônica Calazans recebeu a sua primeira dose em São Paulo.

Em Mato Grosso, a marca foi alcançada no dia seguinte. Desta vez, a técnica de enfermagem do Hospital Metropolitano, Luiza Batista de Almeida, que se tornou a primeira pessoa em território mato-grossense a receber o imunizante.

Picos da pandemia

Contrastando com o cenário de expectativas de atenuação da pandemia, grande parte devido ao início da vacinação, naquelas mesmas semanas o país também assistia o crescimento da curva da pandemia em todos os estados do país, inclusive em Mato Grosso. 

A consequência foi resultado do aumento das aglomerações que se acumulavam desde as eleições municipais até as festas de final do ano de 2020. Nos meses seguintes, o cenário piorou com o surgimento de várias variantes, entre elas a Gama e a Delta. Associado a isso, somou-se ainda a ineficiência das medidas dos governantes. 

“Nós deveríamos estar com essas medidas ativadas quando do início da subida dos casos. Nesse momento em que as pessoas não encontram vaga quando precisam, as medidas de restrição precisam ser mais rígidas”, disse a pesquisadora em março, também em entrevista ao Olhar Direto. Naquela época, o governador Mauro Mendes (DEM) havia emitido um decreto que restringiu apenas parcialmente o horário do comércio, após o sistema de saúde de Mato Grosso ter colapsado.

 


Nesse cenário, com 59.448 casos, março ficou marcado como o pior mês da pandemia em Mato Grosso. O número de apenas um mês correspondia a mais de ⅓ do que havia sido registrado em todo o ano de 2020 (180.451). 

O recorde de óbitos, por sua vez, ficou para o mês de abril, quando foram registrados 2.103 mortes em decorrência da Covid-19 no estado. A marca equivalia a quase 50% do total de decessos de todo o ano de 2020 (4.520). 

Apenas a partir de julho e agosto, quando, respectivamente, Mato Grosso atingiu 44% e 57% de população vacinada com a primeira dose de um dos imunizantes contra a Covid-19, que a curva epidêmica do estado passou a registrar os menores patamares de óbitos e casos positivos para a doença.  

A queda coincide, razoavelmente, com o índice apontado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para frear a propagação do novo coronavírus (60% - 70%). Para a infectologista, o crescimento inversamente proporcional percebido entre a cobertura vacinal e a curva epidêmica desde agosto é uma resposta aos negacionistas.

“Quem considerou que as vacinas não eram confiáveis, os gráficos mostram que vacina é vida. Considerando o que temos de positivo pode-se considerar que mostramos ser uma sociedade que, em sua maioria, não é negacionista. Sabemos reconhecer que a ciência é o caminho para sair da situação de pandemia”, defende Márcia. 

Veja gráficos sobre o avanço da pandemia e cobertura vacinal em MT:

 

 

 

No ano em que o país teve o maior pico de casos e óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia, o avanço da campanha de imunização — atualmente com cobertura de 58% da população mato-grossense com duas doses e 71% com pelo menos a primeira — deu um recado: o Brasil em sua maioria não é negacionista. Isto é o que diz a infectologista e pesquisadora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Márcia Hueb, ao comentar a pandemia no ano de 2021. 

Leia também:
Operação Lei Seca será ampliada para mais três cidades de MT; meta é chegar a 20 até meio do ano

Para a infectologista, o que fez com que o país assistisse à curva crescente e exponencial da pandemia foi, em grande parte, culpa do Governo Federal, que, inicialmente, refutou a eficácia das vacinas. O que, segundo ela, ocasionou o atraso nas negociações de compra dos imunizantes.

“Muitas mortes que ocorreram nos primeiros meses deste ano seriam evitadas se tivéssemos como vacinar a população. Após a chegada das vacinas, mostramos que sabemos vacinar, temos a tradição de um programa reconhecido mundialmente”, diz Márcia ao Olhar Direto.  

Além disso, o Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro, considerado o maior sistema público de saúde do mundo, esteve em evidência ao desempenhar papel fundamental pelo alcance que tem em território nacional. “Com o SUS conseguimos avançar na vacinação. À medida que cresce a cobertura vacinal, diminuem os casos e principalmente as mortes”.

No Brasil, a campanha de imunização teve início no dia 17 de janeiro. Naquele dia, em meio aos ataques que vinham sendo feitos por negacionistas que questionavam a eficácia dos imunizantes aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a enfermeira Mônica Calazans recebeu a sua primeira dose em São Paulo.

Em Mato Grosso, a marca foi alcançada no dia seguinte. Desta vez, a técnica de enfermagem do Hospital Metropolitano, Luiza Batista de Almeida, que se tornou a primeira pessoa em território mato-grossense a receber o imunizante.

Picos da pandemia

Contrastando com o cenário de expectativas de atenuação da pandemia, grande parte devido ao início da vacinação, naquelas mesmas semanas o país também assistia o crescimento da curva da pandemia em todos os estados do país, inclusive em Mato Grosso. 

A consequência foi resultado do aumento das aglomerações que se acumulavam desde as eleições municipais até as festas de final do ano de 2020. Nos meses seguintes, o cenário piorou com o surgimento de várias variantes, entre elas a Gama e a Delta. Associado a isso, somou-se ainda a ineficiência das medidas dos governantes. 

“Nós deveríamos estar com essas medidas ativadas quando do início da subida dos casos. Nesse momento em que as pessoas não encontram vaga quando precisam, as medidas de restrição precisam ser mais rígidas”, disse a pesquisadora em março, também em entrevista ao Olhar Direto. Naquela época, o governador Mauro Mendes (DEM) havia emitido um decreto que restringiu apenas parcialmente o horário do comércio, após o sistema de saúde de Mato Grosso ter colapsado.

 


Nesse cenário, com 59.448 casos, março ficou marcado como o pior mês da pandemia em Mato Grosso. O número de apenas um mês correspondia a mais de ⅓ do que havia sido registrado em todo o ano de 2020 (180.451). 

O recorde de óbitos, por sua vez, ficou para o mês de abril, quando foram registrados 2.103 mortes em decorrência da Covid-19 no estado. A marca equivalia a quase 50% do total de decessos de todo o ano de 2020 (4.520). 

Apenas a partir de julho e agosto, quando, respectivamente, Mato Grosso atingiu 44% e 57% de população vacinada com a primeira dose de um dos imunizantes contra a Covid-19, que a curva epidêmica do estado passou a registrar os menores patamares de óbitos e casos positivos para a doença.  

A queda coincide, razoavelmente, com o índice apontado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para frear a propagação do novo coronavírus (60% - 70%). Para a infectologista, o crescimento inversamente proporcional percebido entre a cobertura vacinal e a curva epidêmica desde agosto é uma resposta aos negacionistas.

“Quem considerou que as vacinas não eram confiáveis, os gráficos mostram que vacina é vida. Considerando o que temos de positivo pode-se considerar que mostramos ser uma sociedade que, em sua maioria, não é negacionista. Sabemos reconhecer que a ciência é o caminho para sair da situação de pandemia”, defende Márcia. 

Veja gráficos sobre o avanço da pandemia e cobertura vacinal em MT:

 

 

 

 



No ano em que o país teve o maior pico de casos e óbitos por Covid-19 desde o início da pandemia, o avanço da campanha de imunização — atualmente com cobertura de 58% da população mato-grossense com duas doses e 71% com pelo menos a primeira — deu um recado: o Brasil em sua maioria não é negacionista. Isto é o que diz a infectologista e pesquisadora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Márcia Hueb, ao comentar a pandemia no ano de 2021. 



Para a infectologista, o que fez com que o país assistisse à curva crescente e exponencial da pandemia foi, em grande parte, culpa do Governo Federal, que, inicialmente, refutou a eficácia das vacinas. O que, segundo ela, ocasionou o atraso nas negociações de compra dos imunizantes.

“Muitas mortes que ocorreram nos primeiros meses deste ano seriam evitadas se tivéssemos como vacinar a população. Após a chegada das vacinas, mostramos que sabemos vacinar, temos a tradição de um programa reconhecido mundialmente”, diz Márcia ao Olhar Direto.  

Além disso, o Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro, considerado o maior sistema público de saúde do mundo, esteve em evidência ao desempenhar papel fundamental pelo alcance que tem em território nacional. “Com o SUS conseguimos avançar na vacinação. À medida que cresce a cobertura vacinal, diminuem os casos e principalmente as mortes”.

No Brasil, a campanha de imunização teve início no dia 17 de janeiro. Naquele dia, em meio aos ataques que vinham sendo feitos por negacionistas que questionavam a eficácia dos imunizantes aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a enfermeira Mônica Calazans recebeu a sua primeira dose em São Paulo.

Em Mato Grosso, a marca foi alcançada no dia seguinte. Desta vez, a técnica de enfermagem do Hospital Metropolitano, Luiza Batista de Almeida, que se tornou a primeira pessoa em território mato-grossense a receber o imunizante.

Picos da pandemia

Contrastando com o cenário de expectativas de atenuação da pandemia, grande parte devido ao início da vacinação, naquelas mesmas semanas o país também assistia o crescimento da curva da pandemia em todos os estados do país, inclusive em Mato Grosso. 

A consequência foi resultado do aumento das aglomerações que se acumulavam desde as eleições municipais até as festas de final do ano de 2020. Nos meses seguintes, o cenário piorou com o surgimento de várias variantes, entre elas a Gama e a Delta. Associado a isso, somou-se ainda a ineficiência das medidas dos governantes. 

“Nós deveríamos estar com essas medidas ativadas quando do início da subida dos casos. Nesse momento em que as pessoas não encontram vaga quando precisam, as medidas de restrição precisam ser mais rígidas”, disse a pesquisadora em março, também em entrevista ao Olhar Direto. Naquela época, o governador Mauro Mendes (DEM) havia emitido um decreto que restringiu apenas parcialmente o horário do comércio, após o sistema de saúde de Mato Grosso ter colapsado.

 

 

 

 


 

 

 

 

 

Fonte: OLHAR DIRETO

Entre no grupo do Paranatinga News no WhatsApp e receba noticias em tempo real. CLIQUE AQUI

Publicidade Áudio

Enquete

Na sua opinião qual investimento é mais urgente para Paranatinga

CONCLUIR HOSPITAL MUNICIPAL

ASFALTAR BAIRROS

MELHORAR ILUMINAÇÃO

SINALIZAÇÃO DE TRANSITO E RUAS

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE

Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.