Paranatinga, 13 de Agosto de 2022

Mato Grosso

Trabalho e qualificação mudam perspectiva de vida dos reeducandos da Penitenciária Central do Estado

Publicado 06/03/2022 11:19:35


Torneiro, padeiro, eletricista, azulejista, confeiteiro, marceneiro. Essas são algumas das profissões que os reeducandos da Penitenciária Central do Estado (PCE) têm a oportunidade de aprender e construir experiência para posterior ingresso no mercado de trabalho e de reintegrar à sociedade. 

A penitenciária tem 540 recuperandos trabalhando em diferentes áreas. A que ocupa a maior parte da mão de obra dos recuperandos é a construção dos novos raios da unidade, o que representa 98% dos trabalhadores, com exceção dos engenheiros responsáveis pelo projeto técnico da obra. Eles trabalham em todas as etapas de construção dos novos raios. Ao todo, estão sendo empregados 122 reeducandos, dentre algumas funções estão, serralheiro, soldador, armador, pedreiro, operador de munck, entre outras.

A oportunidade de trabalho a esses reeducandos foi possível a partir de uma parceria entre a Built Up Engenharia e Soluções e a Fundação Nova Chance (Funac), que intermedia as parcerias para contratação de pessoas privadas de liberdade.

Conforme o contrato, serão erguidos oito raios, cada um com 36 celas, com a capacidade de abrigar até 12 presos em cada uma delas. Desde o início da obra, em fevereiro de 2021, já foram montados três raios com capacidade de acomodar até 432 pessoas cada. Agora, eles estão trabalhando para a construção do quarto raio da unidade.

 

A cada três dias trabalhados, significa que o reeducando tem um dia a menos em sua pena, mas a oportunidade de construir uma profissão e um futuro como cidadão de bem com a sociedade. Eles são remunerados com um salário e trabalham 44 horas por semana, o que passa disso, gera hora extra.

Dentre os trabalhadores está Jonas Borges, que está na unidade há oito anos e conta que trabalhando fica mais fácil cumprir sua pena. “Aqui na fábrica a gente tem mil e uma utilidades para poder aprender, sair daqui e poder entrar no mercado de trabalho. Eu comecei como ajudante de serviços gerais e agora consegui essa vaga de torneiro na fábrica”, disse.

Ele acredita que a oportunidade de trabalho e qualificação pode mudar o futuro de quem passa pela penitenciária. “Eu tenho certeza que este é o primeiro passo para sair daqui e mostrar para a sociedade que aqui ainda tem pessoas boas e pode se reintegrar à sociedade e somar com a família. Aqui dentro pode mudar sim, aquele que quer, consegue”, disse.

 

Para o reeducando Mauricio Lemes, que também trabalha na construção, a oportunidade de trabalhar e conquistar uma profissão significa uma renovação. “Esta empresa está ajudando muitas pessoas, que às vezes ficaram até 20 anos dentro da penitenciária, trancado, mas que querem uma nova oportunidade, de um recomeço. Mesmo não tendo profissão aqui a gente aprende”, disse.

Alguns deles já tinham experiência, no entanto, a maior parte foi capacitada pela própria empresa, uma oportunidade que os internos têm dificuldades de encontrar fora da unidade. “A mão de obra é dedicada. Eles têm uma produtividade muito alta, percebemos que eles querem trabalhar e é algo que faz a diferença na vida deles porque pode ajudar a família”, pontuou Luiz Fabrício Vieira, sócio da Built Up Engenharia e Soluções.

Luiz Fabrício explica que os reeducandos são acompanhados por três funcionários que não são do Sistema Penitenciário, porém, dois destes recuperandos progrediram de regime de pena, mas preferiram continuar trabalhando na fábrica. Um desses profissionais era reeducando, saiu e foi contratado para voltar a trabalhar por interesse dele mesmo. Esse foi o segundo caso de reeducando que progrediu de pena, mas voltou a trabalhar para a empresa”, lembrou.

Os reeducandos da penitenciária também têm a oportunidade de construir experiência como padeiro, confeiteiro e até salgadeiro em uma padaria construída na própria unidade. São 12 internos que produzem de segunda a sexta-feira itens de café da manhã, pão caseiro, bolo, cuca, salgado e pão de queijo para consumo próprio dos servidores e encomenda dos reeducandos da própria unidade.

 

Para exercer a função de padeiro, eles ganharam um curso do Sistema Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), totalmente sem custo e arcado com o orçamento da Penitenciária Central, que à época qualificou 24 internos. Os reeducandos estão trabalhando há sete meses. Durante a semana, eles produzem uma média de 800 pães caseiros, para comércio.

Um dos padeiros, Jeferson Fátimo da Silva diz que é muito importante oferecer aos recuperandos a oportunidade de profissionalização. “É muito gratificante para nós como reeducandos poder aprender e sair daqui com uma profissão para não fazer o que cometia antes”, disse.

O diretor da unidade, Lindomar Henrique da Silva Rocha, destaca que é necessário quebrar o estigma que a sociedade tem sobre o Sistema Penitenciário, de que a PCE tem apenas pessoas presas e sem perspectivas de uma vida de bem e ainda cita diversas profissões que são ofertadas aos reeducandos.

 

Aqui, ensinamos uma profissão e quem quiser sai daqui profissionalizado. Aqui na fábrica tem pintor, funileiro, eletricista, operador de máquinas pesadas, damos muitas oportunidades para eles saírem daqui com uma profissão e poder conquistar um emprego lá fora”, destacou.

Os cursos e qualificações são oferecidos sem custos aos reeducandos para a ressocialização, após progressão de pena e com objetivo final de evitar que eles voltem a praticar crimes e a serem presos novamente. Outras funções que os internos da unidade levam como experiência são, técnico em manutenção de ar condicionado, funileiro, mecânico e operador de máquinas pesadas.

Para o diretor da unidade, é preciso oferecer aos internos mais do que um trabalho e sim uma profissão para garantir sua recondução à sociedade. “Esta é a nova meta da Secretaria Adjunta de Administração Penitenciária, queremos que a PCE seja um modelo, tanto em questões de trabalho quanto de inserção social. Então, a gente mudou a forma de tratamento e agora trabalhamos conforme a lei”, finalizou.

Fonte: Assessoria

Entre no grupo do Paranatinga News no Telegram e receba noticias em tempo real. CLIQUE AQUI

Publicidade Áudio

Enquete

Na sua opinião qual investimento é mais urgente para Paranatinga

CONCLUIR HOSPITAL MUNICIPAL

ASFALTAR BAIRROS

MELHORAR ILUMINAÇÃO

SINALIZAÇÃO DE TRANSITO E RUAS

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE

Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.