Paranatinga, 20 de Outubro de 2021

Mato Grosso

Ex-diretor de grupo revela propina de R$ 230 mil na Copa de 2014

Publicado 13/09/2021 17:14:09


O ex-diretor geral do Grupo Prox, Marco Aurélio Carvalho Cortes, afirmou que houve o pagamento de R$ 230 mil para prestação de serviços médicos durante a Copa do Mundo de 2014.

 

A informação consta nas alegações finais do Ministério Público Federal do processo proveniente da segunda fase da operação, protocoladas para o juiz Paulo Sodré, da 7ª Vara Federal de Cuiabá no dia 27 de agosto.

 

O grupo Prox era integrado pelas empresas ProClin e Qualycare e é investigado no âmbito da Operação Sangria.

 

A operação – que conta com duas fases - apura irregularidades em licitações e contratos firmados pela Prefeitura de Cuiabá e Governo do Estado com o grupo.

PUBLICIDADE

 

 

Já a segunda fase da ação investiga o grupo por atrapalhar as investigações.

 

Ao juízo da Vara Federal, Marco Aurélio – que figura como testemunha do caso - revelou que o grupo havia desembolsado a título de propina os R$ 230 mil para prestar os serviços à época da Copa do Mundo, em junho de 2014. 

 

À época o Estado estava sob gestão do Silval Barbosa e a Saúde era comandada por Jorge Lafetá.

 

Outra testemunha do caso, a médica cardiologista Andrea Roledo confirmou a prestação de serviços pelo grupo ao Estado.

 

“Citou ainda um pagamento de propina no valor de R$ 230.000,00 para prestação de serviços médicos da Copa do Mundo de 2014. A testemunha Andrea R., médica, confirmou que a prestação de serviços médicos na Copa do Mundo 2014 foi feita pelas empresas do Grupo Prox”, consta em trecho do documento do MPF.

 

Veja trecho do documento:

 

 

 

R$ 20, 4 mil a secretário

 

Em seu depoimento, Marco Aurélio  disse que esteve à frente das empresas, entre 2012 e 2015, o Grupo Prox tinha “muitos contratos com poder público” e que “normalmente era por dispensa de licitação”. 

 

E que foram firmados contratos mediante pagamento de propina desde 2013, quando Jorge Lafetá se tornou Secretário Estadual de Saúde.

 

Ainda segundo o ex-diretor uma propina de R$ 20,4 mil mensais era dada ao chefe da Saúde Estadual para manutenção de contratos e recebimentos de valores do Executivo. 

 

O valor, no entanto, era acrescido quando a propina se tratava aos serviços referentes ao Hospital São Benedito, gerenciado pela Empresa Cuiabana de Saúde Pública.

 

“Disse que, para que houvesse manutenção de contratos com o poder público nessa época e recebimento dos valores contratados, era necessário  pagar, a título de propina, R$ 20.400,00 mensalmente a ele”, consta em documento.

 

Os pagamentos, segundo o ex-diretor era pagos em dinheiro “vivo”. “Era emitido um cheque da empresa, que era sacado na boca do caixa e entregue para Jorge Lafetá em espécie”. 

 

Veja trecho do documento:

 

 

 

Câmeras de filmagem

 

Segundo Marco Aurélio, Jorge Lafetá ia buscar o montante na sede da empresa, no Edifício Santa Rosa Tower, em Cuiabá.

 

O ex-diretor ainda disse em depoimento que recomendou e posteriormente chegou a ser instaladas câmaras de segurança no local. 

 

“Marcos Aurélio Carvalho Cortes disse ainda que recomendou que se pusesse uma câmera no local onde a propina era retirada, a fim de que captar a entrega das propinas aos agentes públicos. Disse que a câmera realmente foi instalada, todos os sócios tinham ciência que ela existia, mas que o único que viu mexendo efetivamente na câmera foi Fábio Liberali”, consta em documento do MPF.

Fonte: MÍDIA NEWS

Entre no grupo do Paranatinga News no WhatsApp e receba noticias em tempo real. CLIQUE AQUI

Publicidade Áudio

Enquete

Na sua opinião qual investimento é mais urgente para Paranatinga

CONCLUIR HOSPITAL MUNICIPAL

ASFALTAR BAIRROS

MELHORAR ILUMINAÇÃO

SINALIZAÇÃO DE TRANSITO E RUAS

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE

Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.