Paranatinga, 19 de Maio de 2022

Cidades

Bebê de 9 meses é salvo pela equipe da UPA Norte após afogar na piscina de casa

Publicado 17/01/2022 15:32:39


A equipe de servidores da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Norte, no bairro Morada do Ouro, salvou a vida do bebê Jhuan Gabriel Soares da Costa, 9 meses. Ele caiu na piscina do quintal de casa, foi socorrido pela mãe, Rafaela Pinho Soares, e por um tio. Levado à UPA, ele recebeu toda a assistência necessária, passou dois dias em observação e foi liberado, sem nenhuma sequela. 

Leia também:
Homem retira faca do próprio peito e mata desafeto que o atingiu


“Passei um susto com ele. Foi em questão de segundos. Eu o coloquei no chão, quando olhei pra trás ele não estava mais atrás de mim, eu fui direto na piscina e encontrei ele afogado, já sem movimentos, todo roxo e sem nenhum sinal. Eu pulei na piscina, peguei ele e pedi socorro. Nisso chegou o primo do meu esposo e deu o primeiro socorro e fomos para o postinho”, relata a mãe. 

Ao chegarem na unidade básica de saúde, foram informados que o atendimento adequado seria dado em uma unidade de pronto atendimento. “A gente foi encaminhado para a UPA Morada do Ouro. Chegando aqui, ele foi direto para o box de emergência. Os funcionários foram todos prestativos, deram atenção pra ele. Foi medicado, fizeram os primeiros socorros nele. Ele vomitou, chorou. Quando ele chorou bem alto que eu respirei tranquila. Sabia que Deus estava em primeiro lugar e, segundamente, enviou os especialistas para estar ajudando. Só tenho a agradecer aos funcionários da UPA Morada do Ouro por terem salvado a vida do meu filho. Graças a Deus eu estou com ele no meu colo hoje, está mamando, já está comendo. Graças a Deus, meu filho reviveu. Deus deu uma segunda chance pra gente estar junto com ele”, contou, enquanto ainda estava com a criança no estabelecimento de saúde. 

 


Elisa Furini, médica do box de emergência da UPA Norte, conta que ao chegar na unidade, Jhuan Gabriel estava desfalecido. “Ele chegou no box de emergência flácido, hipoativo, irresponsivo. Conforme a gente estimulava, tinha um gemido muito fraquinho. Nós aspiramos as vias aéreas, fizemos algumas manobras e, conforme o estímulo, ele foi gemendo um pouquinho mais forte. Não foi necessário fazer reanimação porque ele tinha pulso, respiração um pouco lenta, mas tinha. Fizemos a oferta de oxigênio e hidratação. Ele estava bem frio e, conforme foi se aquecendo, foi melhorando. Em seguida, o atendimento foi realizado pela doutora Carina Coutinho, que é pediatra”, relata a profissional.

Segundo ela, Jhuan Gabriel ainda passou por exames de raio-x e tomografia de crânio e tórax para verificar se havia sofrido algo mais grave, o que não se confirmou. No dia seguinte à internação, após reavaliação do pediatra Thiago Braga, a criança recebeu alta médica. 

De acordo com Elisa Furini, durante o atendimento de urgência, “um filme passa pela cabeça” ao ver o sofrimento do paciente e da família, que acaba sendo compartilhado. “É um trauma que fica na cabeça da família, da criança quando cresce e pra gente também. A gente sofre junto com a família e com a criança porque eles são indefesos. Eu fiquei muito feliz que, no final do plantão, eu fui dar uma olhada nele e já estava mamando, já estava acordado. Estou bem contente porque o Jhuan teve a oportunidade de viver esse milagre”, afirma a médica. 

 


Além de destacar a emoção que foi ajudar a salvar a vida do pequeno Jhuan, a doutora Elisa também faz um alerta para os pais de crianças pequenas quanto aos perigos de afogamento, que aumentam nesse período de verão, em que muitas famílias buscam diversão em piscinas e rios. “Requer dos adultos uma atenção redobrada. Quando for a algum passeio, não pode deixar vários adultos cuidando, tem que ser uma pessoa responsável porque se tem vários, um acha que o outro está olhando”. Ela também indica que os pais ensinem a criança a nadar desde cedo ou mesmo coloquem em aulas de natação, caso tenham condições. 

Em caso de o acidente acontecer e a criança se afogar, a profissional afirma que o primeiro atendimento feito pelos próprios familiares, com uma respiração boca-a-boca, por exemplo, pode ser preponderante para evitar algo pior.  Além disso, segundo Elisa Furini, é preciso buscar ajuda profissional no local correto. “A mãe do Jhuan primeiro foi no postinho. Não é indicado. O ideal é ir direto para o pronto atendimento, seja HMC ou UPA ou mesmo chamar o SAMU porque, por telefone, o médico do SAMU orienta. Isso é muito importante! E também saber a unidade a qual recorrer porque a unidade básica não tem os recursos necessários. Na UPA, tem os equipamentos, a equipe já tem preparação em urgência e emergência”, explica.  

 

A equipe de servidores da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Norte, no bairro Morada do Ouro, salvou a vida do bebê Jhuan Gabriel Soares da Costa, 9 meses. Ele caiu na piscina do quintal de casa, foi socorrido pela mãe, Rafaela Pinho Soares, e por um tio. Levado à UPA, ele recebeu toda a assistência necessária, passou dois dias em observação e foi liberado, sem nenhuma sequela. 

 


“Passei um susto com ele. Foi em questão de segundos. Eu o coloquei no chão, quando olhei pra trás ele não estava mais atrás de mim, eu fui direto na piscina e encontrei ele afogado, já sem movimentos, todo roxo e sem nenhum sinal. Eu pulei na piscina, peguei ele e pedi socorro. Nisso chegou o primo do meu esposo e deu o primeiro socorro e fomos para o postinho”, relata a mãe. 

Ao chegarem na unidade básica de saúde, foram informados que o atendimento adequado seria dado em uma unidade de pronto atendimento. “A gente foi encaminhado para a UPA Morada do Ouro. Chegando aqui, ele foi direto para o box de emergência. Os funcionários foram todos prestativos, deram atenção pra ele. Foi medicado, fizeram os primeiros socorros nele. Ele vomitou, chorou. Quando ele chorou bem alto que eu respirei tranquila. Sabia que Deus estava em primeiro lugar e, segundamente, enviou os especialistas para estar ajudando. Só tenho a agradecer aos funcionários da UPA Morada do Ouro por terem salvado a vida do meu filho. Graças a Deus eu estou com ele no meu colo hoje, está mamando, já está comendo. Graças a Deus, meu filho reviveu. Deus deu uma segunda chance pra gente estar junto com ele”, contou, enquanto ainda estava com a criança no estabelecimento de saúde. 

 


Elisa Furini, médica do box de emergência da UPA Norte, conta que ao chegar na unidade, Jhuan Gabriel estava desfalecido. “Ele chegou no box de emergência flácido, hipoativo, irresponsivo. Conforme a gente estimulava, tinha um gemido muito fraquinho. Nós aspiramos as vias aéreas, fizemos algumas manobras e, conforme o estímulo, ele foi gemendo um pouquinho mais forte. Não foi necessário fazer reanimação porque ele tinha pulso, respiração um pouco lenta, mas tinha. Fizemos a oferta de oxigênio e hidratação. Ele estava bem frio e, conforme foi se aquecendo, foi melhorando. Em seguida, o atendimento foi realizado pela doutora Carina Coutinho, que é pediatra”, relata a profissional.

Segundo ela, Jhuan Gabriel ainda passou por exames de raio-x e tomografia de crânio e tórax para verificar se havia sofrido algo mais grave, o que não se confirmou. No dia seguinte à internação, após reavaliação do pediatra Thiago Braga, a criança recebeu alta médica. 

De acordo com Elisa Furini, durante o atendimento de urgência, “um filme passa pela cabeça” ao ver o sofrimento do paciente e da família, que acaba sendo compartilhado. “É um trauma que fica na cabeça da família, da criança quando cresce e pra gente também. A gente sofre junto com a família e com a criança porque eles são indefesos. Eu fiquei muito feliz que, no final do plantão, eu fui dar uma olhada nele e já estava mamando, já estava acordado. Estou bem contente porque o Jhuan teve a oportunidade de viver esse milagre”, afirma a médica. 

 


Além de destacar a emoção que foi ajudar a salvar a vida do pequeno Jhuan, a doutora Elisa também faz um alerta para os pais de crianças pequenas quanto aos perigos de afogamento, que aumentam nesse período de verão, em que muitas famílias buscam diversão em piscinas e rios. “Requer dos adultos uma atenção redobrada. Quando for a algum passeio, não pode deixar vários adultos cuidando, tem que ser uma pessoa responsável porque se tem vários, um acha que o outro está olhando”. Ela também indica que os pais ensinem a criança a nadar desde cedo ou mesmo coloquem em aulas de natação, caso tenham condições. 

Em caso de o acidente acontecer e a criança se afogar, a profissional afirma que o primeiro atendimento feito pelos próprios familiares, com uma respiração boca-a-boca, por exemplo, pode ser preponderante para evitar algo pior.  Além disso, segundo Elisa Furini, é preciso buscar ajuda profissional no local correto. “A mãe do Jhuan primeiro foi no postinho. Não é indicado. O ideal é ir direto para o pronto atendimento, seja HMC ou UPA ou mesmo chamar o SAMU porque, por telefone, o médico do SAMU orienta. Isso é muito importante! E também saber a unidade a qual recorrer porque a unidade básica não tem os recursos necessários. Na UPA, tem os equipamentos, a equipe já tem preparação em urgência e emergência”, explica.  

 

 

Fonte: Olhar Direto

Entre no grupo do Paranatinga News no Telegram e receba noticias em tempo real. CLIQUE AQUI

Publicidade Áudio

Enquete

Na sua opinião qual investimento é mais urgente para Paranatinga

CONCLUIR HOSPITAL MUNICIPAL

ASFALTAR BAIRROS

MELHORAR ILUMINAÇÃO

SINALIZAÇÃO DE TRANSITO E RUAS

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE

Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.