Paranatinga, 15 de Abril de 2021

Política

MPE acusa Roseli e mais 25 de crime de improbidade na Setas

Publicado 22/01/2016


O Ministério Público Estadual (MPE) ingressou com quatro ações por improbidade administrativa contra os investigados na Operação Arqueiro, que apura supostos desvios de dinheiro da Secretaria de Trabalho e Assistência Social (Setas).

  Além da ex-primeira-dama do Estado, Roseli Barbosa, também aparecem como alvo das ações outras 25 pessoas e 12 empresas.

Dois processos estão sob a responsabilidade do juiz Luís Aparecido Bortolucci Júnior, da Vara Especializada de Ação Civil Pública e Ação Popular, e os dois restantes foram distribuídos para a juíza Célia Regina Vidotti.

Segundo investigações do Gaeco (Grupo de Atuação e Combate ao Crime Organizado), teriam sido identificados desvios nos cofres públicos da Setas por meio de esquemas fraudulentos ocorridos entre 2012 e 2013.

Em uma das ações propostas pelo MPE aparecem como alvo o então assessor de Roseli, Rodrigo Marchi, o também ex-secretário da Setas, Jean Esteves de Campos, o empresário e delator do esquema, Paulo Cesar Lemes, a ex-secretária-adjunta da Setas, Vanessa Rossin Figueiredo, e o empresário Ricardo Mário Ceccarelli.

O segundo delator do esquema, o empresário Sivaldo Antônio da Silva também aparece na lista de acusados. Em sua delação, ele contou que contou que foi um dos responsáveis por distribuir os R$ 2,8 milhões supostamente desviados da Setas.

Entre as empresas, aparecem como alvo os Institutos de Desenvolvimento Profissional do Brasil (INDESP) e o Concluir, Mathice Seleção e Agenciamento de Mão de Obra Ltda ME, M. Cesar Leite Gattas Orro – ME, Adilson Vilarindo de Almeida ME, GVA Treinamento e Liderança TDA – ME, EGP da Silva – ME, Capitólio Produtos e Serviços, Goularte e Santos Ltda ME, além das lotéricas Três Américas, São Benedito e Mega Ponto. 

Algumas das empresas e pessoas aparecem em mais de uma das ações do MPE.

Confira lista de alvos das quatro ações do MPE:

 ROSELI DE FÁTIMA MEIRA BARBOSA 

 

ADILSON VILARINDO DE ALMEIDA

 

AROLDO PORTELA DA SILVA

 

EDVALDO DE PAIVA

 

ELDO LEITE GATTAS ORRO

 

EVANDRO GUSTAVO FORTES DA SILVA

 

ISABELA KARLA CAMPOS SANTANA

 

JEAN ESTEVAN CAMPOS OLIVEIRA

 

JESUS ONOFRE DA SILVA

 

JOELDES LAZZARI LEMES

 

KAREN RUBIN

 

MURILO CESAR LEITE GATTAS ORRO

 

NILSON DA COSTA E FARIA

 

PAULO CESAR LEMES 

 

PEDRO PEREIRA DE OLIVEIRA

 

RICARDO MÁRIO CECCARELLI

 

RODRIGO DE MARCHI

 

ROSAMARIA FERREIRA DE CARVALHO

 

ROSANA GULARTE DOS SANTOS SILVA

 

SILVIA ROSEMARY ROCHA DA COSTA

 

SIVALDO ANTÔNIO DA SILVA

 

 

VALDIZAR PAULA DE ANDRADE

 

VALENTINA DE FÁTIMA DRAGONI

 

VANESSA ROSIN FIGUEIREDO

 

WAGNER FERREIRA DE VASCONCELOS

 

WILIAN LUIZ DA SILVA

 

EMPRESAS

 

ADILSON VILARINDO DE ALMEIDA - ME

 

CAPITÓLIO PRODUTOS E SERVIÇOS

 

E.G.P. DA SILVA ME G

 

ULARTE E SANTOS LTDA ME

 

GVA TREINAMENTO E LIDERANÇA TDA-ME

 

INSTITUTO CONCLUIR

 

INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DO BRASIL – INDESP

 

LOTÉRICA MEGA PONTO

 

LOTÉRICA SÃO BENEDITO

 

LOTÉRICA TRÊS AMÉRICAS LTDA -ME

 

M CESAR LEITE GATTASS ORRO - ME

 

MATHICE SELEÇÃO DE AGENCIAMENTO DE MÃO DE OBRA LTDA ME

 

A denúncia

Na ação penal, o Gaeco narra que a Setas contratou a empresa Microlins e os Institutos de Desenvolvimento Humano (IDH/MT) para executar programas sociais referentes ao “Qualifica Mato Grosso”, “Copa em Ação”, entre outros através do uso e “laranjas”. A qualidade desses cursos também é questionada.

As investigações começaram após a divulgação de erros grotescos em apostilas que estavam sendo utilizadas nos cursos de capacitação em hotelaria e turismo promovido pela Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social. 
Em um dos casos exemplificados pelo MPE, a pessoa contratada para elaboração do conteúdo das apostilas possuía apenas o Ensino Médio completo.

Em seu depoimento, a jovem confessou que recebeu pelo serviço a quantia de R$ 6 mil e que copiou todo o material da internet.
 

A denúncia aponta o empresário e delator Paulo César Lemes como um dos líderes da organização. Segundo o MPE ele atua no ramo de cursos profissionalizantes e é proprietário dos institutos sem fins lucrativos IDH, Concluir e Indesp, entes jurídicos que estariam sendo utilizados na prática de crimes contra a administração pública.

Segundo o MPE, nos últimos dois anos, a empresa Microlins e os Institutos de Desenvolvimento Humano (IDH/MT) e Concluir receberam do Estado quase R$ 20 milhões para executar programas sociais referentes ao “Qualifica Mato Grosso”, “Copa em Ação”, entre outros. 

Para obterem êxito nas contratações, nomes de “laranjas” foram utilizados pelos fraudadores. A qualidade dos cursos oferecidos também está sendo questionada.

Investigações realizadas pelo Gaeco em conjunto com o Núcleo de Ações de Competência Originária da Procuradoria Geral de Justiça (Naco) apontaram a existência de provável conluio entre servidores lotados na Setas e Institutos sem fins lucrativos para fraudes em licitações e convênios. 

As investigações começaram após a divulgação de erros grotescos em apostilas que estavam sendo utilizadas nos cursos de capacitação em hotelaria e turismo promovido pelo Governo do Estado.

Os crimes imputados são: constituição de organização criminosa, corrupção, peculato, lavagem de dinheiro, uso de documento falso e outros.

Além da condenação criminal, o MPE pediu a devolução dos valores subtraídos, condenação por dano moral coletivo, suspensão de pagamentos de contratos firmados entre as empresas e a Setas, além de proibição de celebração de novos contratos, indisponibilidade de bens dos denunciados e afastamento dos sigilos bancário e fiscal.

Fonte : Midia News

Publicidade Áudio

Enquete

Na sua opinião qual investimento é mais urgente para Paranatinga

CONCLUIR HOSPITAL MUNICIPAL

ASFALTAR BAIRROS

MELHORAR ILUMINAÇÃO

SINALIZAÇÃO DE TRANSITO E RUAS

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE