Paranatinga, 20 de Outubro de 2020

Agronegócios

ECONOMIA

Os três pilares do crescimento econômico pós-pandemia

Publicado 09/09/2020 13:58:35


Para retomarmos a economia, é necessário observar três pilares: histórico, econômico e regional, minha afirmação é baseada na experiência de empresário no segmento de materiais de construção em Cuiabá, há 40 anos. 

Tenho recebido muitas visitas, e consultas de empresários e comerciantes em busca de suporte, de uma saída para seus negócios. O momento é bastante delicado, pois a Covid-19  e seus efeitos negativos com prejuízos econômicos, sociais e na saúde atingem todos. 

Minha orientação sempre foi para manter a esperança e o foco, pois é o momento de cada um repensar seu negócio para atender as medidas de biossegurança. Precisamos reinventar o comércio e a maneira de vender. 

É bom lembrar que, historicamente, após uma crise mundial a economia tem uma retomada muito rápida, as perdas causadas pela Covid-19 serão recuperadas, a expectativa é que ainda seja no último trimestre de 2020, e em 2021 seja um dos melhores cenários econômicos dos últimos anos.  

Um dos motivos, é que devido ao período em que o comércio ficou fechado, o consumo ficou represado. Quem estava em casa confinado comprava somente o básico para sobreviver. Já temos registros de aumento nas vendas do varejo, então quando a Covid-19 for embora de vez, esse consumidor virá com força para comprar. 

Por isso, volto a ressaltar: é preciso que cada um prepare seu negócio e suas equipes porque vem aí um novo consumidor no pós-pandemia. Empresários e comerciantes precisam estar preparados para um novo conceito de atendimento ao consumidor. A internet e o delivery estão aí exigindo de cada um adaptações e mudanças urgentes para sobressair num mercado altamente competitivo.

Com acesso à internet, o consumidor que tinha medo de usar o cartão de crédito (eu me incluo nisso), perdeu esse medo. Estou usando a internet e descobrindo um mundo novo de compras que tem um preço diferente. 

E por que essa diferença? Porque nas lojas físicas temos uma carga tributária muito pesada. É exatamente nesse ponto que o Estado tem que fazer sua parte e diminuir essa alíquota para que nossos produtos dentro de Mato Grosso fiquem mais competitivos. Caso contrário, nossas lojas físicas vão virar showroom do consumidor que vai até a loja, fotografa o produto e o código de barras. Depois, entra na internet e compra o mesmo produto por um preço mais em conta. E esse consumidor está correto porque temos que olhar a economia no nosso bolso. 

Conclamo empresários e comerciantes para repensarmos nossos negócios, mas o Estado tem que vir junto, diminuir a tributação e ser menos cobrador de impostos. E vamos olhar a médio e longo prazo, preparando nossos negócios para o final de ano porque a economia começa a girar. 

Bem, e o fato econômico merece nossa atenção: nós brasileiros estamos acostumados com a inflação relativamente alta, com juros de 10%, 15% ao mês, mas hoje são vários investidores que estão com dinheiro nos bancos recebendo juros atualmente na casa dos 2% ao ano, na taxa Selic. 

São indicativos de que esse dinheiro investido em poupança e várias formas de aplicações financeiras vai sair e vir para o mercado. Vai haver reforma de casa, troca de um carro novo, um investimento dentro do comércio, uma construção nova. A tendência é de investir em si próprio e na família. Viajar e fazer passeios para conhecer as belezas de Mato Grosso, do Brasil e do mundo, ao invés de ficar recebendo 2% ao ano com o dinheiro parado no banco.

O momento também é propício para renegociação de dívidas com juros baixos. A Selic, que é a taxa básica de juros da economia, está em 2% ao ano. Quem for postergar dívidas não deve aceitar pagar taxa de juros alta, pois com uma taxa baixa, é possível pagar a médio, e longo prazo.

Mais um ponto positivo para Mato Grosso, é a alta do dólar frente ao real, pois somos líder em produção de comodities e de proteínas no Brasil, com isso, as exportações ficaram mais atrativas para os produtores do Estado, e o dinheiro do agronegócio movimenta a economia. 

Com a “engrenagem rodando”, o comércio e os negócios voltam a vender bem, permitindo o ganho de dinheiro, fomentando a geração de empregos, permitindo que milhares de famílias continuem com renda. E o Estado recolhe os impostos, e pode reverter em saúde, educação, segurança e infraestrutura para todos os cidadãos.


José Wenceslau de Souza Júnior é presidente da Fecomércio, Sesc, Senac e Sindcomac em Mato Grosso. É comerciante há 40 anos. Email: jornalismo@fecomerciomt.org.br.

 

Fonte: olhardireto

Publicidade Áudio

Enquete

Na sua opinião qual investimento é mais urgente para Paranatinga

CONCLUIR HOSPITAL MUNICIPAL

ASFALTAR BAIRROS

MELHORAR ILUMINAÇÃO

SINALIZAÇÃO DE TRANSITO E RUAS

Anuncios

CURTA NOSSA FAN PAGE